7 líderes empresariais compartilham seus segredos de autocuidado

ANÚNCIO

Quando você ama seu trabalho, pode facilmente se tornar um tanto obcecado por ele. Mas existe uma linha tênue entre ter um relacionamento saudável com sua carreira e ser totalmente consumido por ela.

O COVID-19 não tornou mais fácil desconectar. Os proprietários de empresas foram lançados no desconhecido de uma forma repentina, difícil e confusa. No entanto, como setembro é o mês nacional da conscientização sobre o autocuidado, empreendedores como você e eu precisamos estar atentos a essa necessidade de desacelerar. Estar tão absorto no trabalho que seu estresse o consome não ajudará você ou sua empresa.

ANÚNCIO

Os líderes definem suas culturas. Se eles não levarem sua saúde a sério, os funcionários perceberão. Claro, os CEOs podem forçar os funcionários a tirar vantagem de folgas remuneradas, mas se eles enviarem e-mails constantemente até altas horas da manhã para o pessoal fora de serviço, os membros da equipe ficarão relutantes em se desconectar por causa do exemplo que está sendo dado a eles.

Dito isso, se você caiu na armadilha de acreditar que cuidar de si mesmo é um luxo que você não pode pagar, pense novamente. Sua energia afeta diretamente todos ao seu redor, desde seu assistente administrativo até seus maiores clientes e seus maiores investidores. Um líder que está desconectado emocionalmente não pode persuadir, guiar ou inspirar.

1. Kim Lawton, fundadora e CEO do Enthuse Marketing Group

Quando a pandemia atingiu, Kim Lawton observou como toda a economia fechava e mudava dramaticamente, perguntando-se como ela poderia continuar a fazer previsões com precisão em um ambiente tão instável. Ela rapidamente percebeu que não precisava fazer isso sozinha.

ANÚNCIO

“Foi revigorante ver esse compromisso da equipe brilhar quando o mundo estava em um lugar tão escuro”, lembra ela. Ao mesmo tempo, ela insistia que seus funcionários fizessem pausas frequentes e concluíssem seus dias de trabalho mais cedo para instigar o equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Lawton não prega apenas uma vida equilibrada. Ela também pratica. Durante a ordem de abrigo no local para o coronavírus, ela concentrou sua atenção em comer de forma mais saudável, passar o tempo ao ar livre, lendo, rindo diariamente e sendo plenamente ativa.

Embora ela admita que às vezes se sente culpada por colocar suas necessidades à frente dos negócios, ela aprendeu que se afastar é essencial para voltar ao trabalho revigorado e pronto para ir.

Sua maior dica para sobreviver a toda a loucura? Reserve um tempo para pensar em todas as coisas que você quer fazer da vida. Em seguida, anote tudo o que vier à mente. O exercício o leva para fora do presente e oferece uma perspectiva. Diz Lawton: “Adoro olhar para trás ao longo dos anos e ver que tipo de sonhos e ideias tenho quando tenho a cabeça limpa para pensar.”

2. Jessica Moseley, CEO da TCS Interpreting

Como alguém que se concentra naturalmente nas necessidades dos outros, Jessica Moseley teve que treinar novamente seu cérebro durante o COVID-19 para se concentrar em seu próprio bem-estar tanto quanto no daqueles ao seu redor. Embora tenha sido um desafio gerenciar seu estresse e saúde mental, ela leva o processo dia a dia e está feliz com os resultados.

Para ajudá-la a se preocupar menos com todas as coisas que “deveria” fazer, ela pratica exercícios físicos e meditação diariamente. Ela trabalha a respiração quatro vezes por semana e frequenta sessões de hipnose. Além disso, ela incentiva seus colegas a fazerem o que puderem com os recursos de que dispõem, aceitando os desafios à medida que aparecem, em vez de tentar resolvê-los todos de uma vez.

O poder de Moseley vem de sua determinação em liderar pelo exemplo.

“Faça algo pequeno”, ela recomenda. “Junte-se a um grupo de outros empresários ou amigos para responsabilizá-lo. Encontre exercícios online ou aulas ao ar livre. Quanto mais foco você colocar no seu autocuidado, mais forte será para sua empresa e sua equipe. ”

3. Munjal Shah, cofundador e CEO da Health IQ

Enquanto os funcionários de Munjal Shah faziam a transição para trabalhar em casa, Shah percebeu que sua equipe tinha uma oportunidade única de passar mais tempo em assuntos pessoais. Ter que trabalhar de maneira diferente deu a todos a chance de recuperar e reutilizar as horas que normalmente gastavam no autocuidado.

“No mundo pré-COVID, eu teria perdido horas da minha semana dirigindo e voando em meu trajeto”, reflete Shah. “Eu encontrei mais tempo e mais consistência para meus treinos desta forma.”

Shah também tornou a separação do tempo de trabalho e não trabalho uma parte maior de sua vida. Ele janta com a família e joga jogos de tabuleiro à noite. Além disso, ele descobriu que estar ao ar livre pode ser uma forma de valorizar o resto do mundo e até mesmo de socializar.

“Tento convidar os vizinhos, mantendo dois metros de distância e socialmente distantes, para andar de bicicleta comigo ou ao ar livre para um treino ao ar livre na garagem”, diz ele.

Claro, quando ele está trabalhando, ele faz um esforço para mudar seus espaços físicos. Shah nunca trabalha na mesma sala, o que, segundo ele, o ajuda a não se sentir muito confinado. Ele sugere que os colegas de trabalho façam o mesmo e até mesmo equipem seus espaços de trabalho em casa com equipamentos ativos, como mesas de pé e de caminhada para melhorar os níveis de condicionamento físico.

4. Patrick Bardsley, CEO e cofundador da Spectrum Designs

O início de março não foi fácil para Patrick Bardsley. Por cerca de duas semanas, ele sentiu como se estivesse andando em estado de choque. Com a ajuda de um treinador e seus companheiros de equipe, ele saiu de sua angústia inicial.

Agora, ele relata que se sente hiperfocado e capaz de canalizar suas energias meditando diariamente usando os aplicativos Calm ou Headspace, se exercitando várias vezes por semana e se alimentando de maneira saudável pelo menos 85% do tempo.

Aos poucos, ele está eliminando a ideia de que ser um empreendedor significa adotar ditados como: “Dormir é para os fracos”. Como Bardsley explica: “Tento e me lembro diariamente que se não cuidar da minha saúde, não posso ser o melhor que posso para a empresa, nossa equipe ou minha família”.

Uma maneira de ele melhorar seu jogo é tornar a saúde mental e física parte dos valores centrais da empresa, oferecendo sessões de atenção plena durante o horário de trabalho, bem como um programa robusto de assistência ao funcionário e aconselhamento do chefe de RH, que é um assistente social licenciado. “Não deveria haver estigma para cuidar de qualquer um”, acredita.

Entrepreneurship Archives – Page 11 of 12 – Onaplatterofgold.com
Foto: (Reprodução/Internet)

Bardsley sabe que pode ser difícil mudar de marcha, principalmente se você estiver dirigindo. Conseqüentemente, ele defende trabalhar o autocuidado em sua programação, sabendo que você pode não atingir suas metas o tempo todo.

5. Jason Bornhorst, CEO da First Dollar

Trabalhando no setor de saúde, Jason Bornhorst experimentou a COVID de uma forma um pouco diferente de outros líderes. Ele teve um senso de propósito, à medida que sua empresa se tornava ainda mais relevante durante o coronavírus. No entanto, Bornhorst estava sob estresse e ansiedade, assim como qualquer outro líder de startups.

A meditação diária ajuda Bornhorst a administrar sua mente. Ele também gosta de usar WHOOP, uma peça de tecnologia vestível que ajuda as pessoas a se manterem no topo das metas de desempenho de bem-estar.

E com uma vida familiar que inclui dois filhos pequenos, ele está empenhado em estar presente para sua família desligando-se do trabalho periodicamente. “Priorizar o autocuidado em uma startup começa com o CEO”, diz ele. “Estou me concentrando na minha família à noite e não no envio de e-mails.”

Como Bornhorst ainda consegue fazer tudo? Ele acorda cedo e primeiro faz suas tarefas de autocuidado. “Se você não cuidar de si mesmo primeiro, estará acumulando uma‘ dívida de autocuidado ’e isso vai cobrar seu preço eventualmente.”

6. Josh Turner, fundador e CEO da Connect365.io

Josh Turner se considera sortudo porque sua empresa não foi tão duramente atingida pela COVID como algumas outras empresas. No entanto, o estresse ainda encontrou sua equipe. Por meio de adaptação e aceitação, eles mudaram rapidamente para novas formas de trabalhar. Apesar de sua resiliência, Turner ainda precisava encontrar uma maneira de desabafar, o que veio na forma de exercícios físicos, às vezes duas vezes ao dia.

“Se eu me concentrar demais no trabalho, às custas de outras áreas da minha vida, eventualmente meu trabalho também sofrerá. Por isso é importante desligar-se, alimentar-se de forma saudável, treinar, etc. ”, explica.

Porque ele é tão fervoroso em bloquear o tempo pessoal, ele é capaz de evitar que o trabalho penetre e assuma o controle. Sim, ele faz concessões, mas não às custas de seu bem-estar.

Turner deseja que seu pessoal seja igualmente diligente, e é por isso que raramente pede aos funcionários que trabalhem à noite ou nos fins de semana. Ele observa: “Sei que eles precisam desse tempo para recarregar as baterias e voltar ao trabalho animados para começar a trabalhar e serem mais produtivos”.

7. Corey Davis, fundador e CEO da DaysToHappy

Difícil. Intenso. Exausta emocionalmente e fisicamente. É assim que Corey Davis descreveria a gestão de uma empresa em tempos normais. Mas com coronavírus? Tudo está amplificado, é por isso que Davis começou a acordar às 5 horas para começar o dia com gerenciamento de mente, meditação, autorreflexão, identificação de gratidão e recitação de mantras. Davis até começou a ingerir mais alimentos vegetais e a passar mais tempo fora em atividades moderadas a intensas.

Veja também: 5 dicas para lançar sua empresa

Embora ele receba uma recompensa por ser tão diligente, a maior recompensa é estar em uma posição melhor para servir de ombro para os outros. “Eu reservo um tempo pela manhã para identificar alguém a quem posso servir e ajudar durante o dia”, explica Davis.

Este exercício mantém seu negócio em perspectiva e garante que ele esteja focado em um propósito maior. Começar o dia com positividade e rotinas matinais saudáveis ​​permite que ele fique zunindo pelo resto de suas horas sem se preocupar se terá que engordar as atividades à noite mais tarde.

Sua melhor dica para outros empreendedores? Use o que está disponível para tornar a vida mais saudável para aqueles ao seu redor.

“Como 70% dos funcionários estão mais estressados ​​do que nunca em suas carreiras, aproveite os programas de bem-estar / atenção plena e ofereça oportunidades para seus funcionários participarem de programas semelhantes também”, diz Davis. “Meu objetivo é não ter pensamentos negativos por um ano. Estou há dois meses e tem sido uma experiência de aprendizado incrível para mim. ”

Estar no topo da sua empresa não é apenas uma chance de desenvolver uma marca. É uma abertura para você influenciar radicalmente a vida das pessoas. Comece mudando seus próprios hábitos e depois veja como você pode transformar as pessoas ao seu redor, incentivando-as a seguir o exemplo.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Forbes

ANÚNCIO