Como a mídia social continua mudando nossas vidas e trabalho

ANÚNCIO

A mídia social começou a ganhar espaço no mundo dos negócios por volta de 2008, quando as empresas perceberam que poderia ser aproveitada para marketing e relacionamento com o cliente. E aqueles que estavam adotando a mídia social para construir suas marcas neste novo cenário de atualizações de status, tweets, pins e mais interações e defensores da marca que nunca teriam visto de outra forma.

Veja a Ford Motor Company, por exemplo. Quem poderia imaginar que reformular a marca de um veículo no Facebook teria tanto sucesso quanto o diretor de mídia social Scott Monty?

ANÚNCIO

Mas, não é surpresa para a maioria dos leitores aqui, os empreendedores estão interessados ​​em identificar as oportunidades que existem nas novas camadas emergentes de negócios, e uma dessas camadas está começando a surgir diante de nossos olhos.

A mídia humana como a nova camada do social

A certa altura, era fácil dizer que o Facebook mudou os negócios para sempre; no entanto, hoje, as empresas podem dar um passo adiante e as mídias sociais para aumentar seu público, conectando-se a eles em um nível mais visceral por meio de um envolvimento real.

O que é envolvimento real? Engajamento real é usar contato face a face, visualizar expressões faciais e movimentos das mãos que adicionam um componente humano a uma marca, tornando-a menos corporativa.

ANÚNCIO

Quando os usuários se conectam com uma marca em vez de uma pessoa, esse relacionamento parece comercial para o cliente; entretanto, se houver pessoas envolvidas, um vínculo de confiança é formado. Cada plataforma de mídia social respectiva tem seus pontos fortes e fracos, mas para marcas que procuram se destacar com envolvimento real, não procure além do Google+.

50 Tips and Insights About Productivity, Happiness, and Life – Tech Rohan
Foto: (Reprodução/Internet)

O Google+ é uma plataforma social com uma camada do que é chamado de Human Media. Human Media é uma mídia social via webcam. Então, em vez de as marcas apenas interagirem com as fotos do perfil do cliente na seção de comentários das postagens, as empresas estão, na verdade, conversando com seus seguidores cara a cara em chats de vídeo em grupo chamados Hangouts.

Outras plataformas que incorporam Human Media envolvem Spreecast, Zarfor e Oovoo; no entanto, embora todas essas plataformas estejam reunindo as pessoas para conversas em tempo real em vez de comentários assíncronos baseados em texto, elas não podem funcionar na escala dos Hangouts do Google+.

Usando a mídia humana para objetivos de negócios

Os Hangouts podem transformar todos os tipos de negócios – especialmente atendimento ao cliente, recursos humanos, demonstração de produtos, vendas e até mesmo a indústria de viagens.

Por exemplo, meu trabalho com Veterans Virtual Tours permitiu que um número incontável de doentes terminais e veteranos idosos vissem monumentos dedicados a seu serviço. E, com o Google Glass, posso até dar a eles uma perspectiva em primeira pessoa.

Outros Google Plussers começaram a usar Hangouts para comércio eletrônico, usando o serviço para aulas de culinária, aulas de ioga e até serviços fiscais.

E, embora o comércio eletrônico esteja em seu estágio inicial com o Hangouts, o potencial de crescimento é extraordinário, levando até a possibilidade de um programa que é supostamente denominado “Helpouts”, que permite que indivíduos, pequenas e grandes empresas comprem e vendam serviços por meio de vídeo ao vivo .

Com os poucos exemplos listados acima, inúmeros outros estão surgindo em todo o mundo. Um método de aproveitar essas ideias para inspiração futura tem sido por meio da Comunidade do Movimento de Mídia Humana do Google+. Na comunidade, os membros postam suas idéias sobre a mídia humana e as maneiras como a comunicação em tempo real está transformando a maneira como pensamos.

Crie e compartilhe ótimo conteúdo

Ao lado do fator humano, o conteúdo funciona nas redes sociais. Trata-se de compartilhar tudo, desde histórias relevantes para a empresa, seus clientes e o setor. Talvez sua empresa esteja arrecadando dinheiro para um evento de caridade. O evento seria postado no Facebook e compartilhado com a comunidade da marca. Essa mesma mensagem será tuitada nessa rede, fazendo uma polinização cruzada do evento em todos os canais.

Durante o evento, a empresa poderia realizar um Hangout no Google+, trazendo as pessoas cara a cara com seus acontecimentos. Durante o evento, as fotos serão tweetadas com uma hashtag exclusiva e postadas no Instagram e, se uma foto não for suficiente, vídeos curtos também podem ser capturados no Reels da mesma plataforma.

Veja também: 3 maneiras de criar ótimas imagens de mídia social 

Como as empresas ao redor do mundo continuam a crescer usando a mídia social e agora a Human Media para se conectar com seus clientes e construir suas marcas, o futuro do comércio está usando as redes sociais para reduzir o espaço físico entre você e seus seguidores.

O que está na fronteira pode ser determinado por avanços na tecnologia, como computadores vestíveis, chat de vídeo em grupo e realidade aumentada. Nesse ínterim, as empresas estão avançando cada vez mais fundo na corrente social na esperança de que pague dividendos.

Como sua empresa planeja gastar seu cache social?

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Under30ceo

ANÚNCIO