Crescimento e estresse: um equilíbrio delicado para qualquer gerente

ANÚNCIO

Seja profissional ou pessoalmente, o crescimento e o desafio são componentes essenciais em nosso engajamento. A estagnação é um dos principais motores do desligamento em uma organização e uma das maiores causas de atrito hoje. Quando estamos crescendo, temos muito mais probabilidade de nos envolver no que fazemos.

Frequentemente, o impulso para o crescimento tem um preço: níveis elevados de estresse. Durante a era atual de iniciativas de eficiência de processo, aumento da regulamentação interna e externa, reorganização ou reestruturação, consolidação de empregos e fusões e aquisições, muitos funcionários se encontram fazendo trabalhos que antes eram (ou deveriam ser feitos) por duas ou mais pessoas.

ANÚNCIO

Muitas vezes, essas tarefas aumentadas estão levando as pessoas a áreas onde elas sentem que estão perdendo suas cabeças, e isso tem afetado a saúde, a motivação e o desempenho dos trabalhadores.

Verifique os dados.

Eu regularmente faço perguntas sobre estresse quando trabalho com organizações. Por meio de pesquisas de engajamento dos funcionários, peço que avaliem seus níveis de concordância com as seguintes afirmações:

  • Meu trabalho exige que eu seja eficiente.
  • A quantidade de trabalho que devo fazer é razoável.

Nossa equipe acumulou um banco de dados de mais de um milhão de respostas em todo o mundo para as declarações acima, e suas respostas fornecem percepções interessantes sobre os níveis atuais de estresse no local de trabalho. Por um lado, houve um aumento constante nas respostas afirmativas ao classificar a primeira afirmação; na última década, as classificações dos funcionários para esta declaração aumentaram em mais de 17 por cento.

ANÚNCIO

Durante o mesmo período, as pontuações dos funcionários para a segunda pergunta diminuíram 14%. Isso é um spread de 31 pontos. O resultado final? Estamos pedindo aos funcionários que façam mais com menos (pelo menos, em suas mentes).

Isso não é necessariamente uma coisa ruim. Segundo os colaboradores, estamos trabalhando com mais eficiência. Na verdade, de acordo com nosso banco de dados de pesquisa de 2017, 82 por cento dos funcionários dizem que regularmente sentem que estão sendo pressionados e desafiados em suas funções atuais.

Estresse positivo vs. negativo

Quando consideramos a fonte de estresse de uma forma saudável e positiva, os vasos sanguíneos se dilatam, o que aumenta o fluxo sanguíneo. Estudos da Universidade da Califórnia, em San Francisco, descobriram que os efeitos são semelhantes aos encontrados com exercícios aeróbicos. Esse aumento do fluxo sanguíneo permite que nosso cérebro e músculos estejam à altura do desafio. Nós nos engajamos. Mas o desafio pode ir longe demais?

Quando consideramos a causa do estresse negativa, nossa resposta é potencialmente prejudicial. Esse tipo de estresse faz com que os vasos sanguíneos se contraiam, elevando a pressão arterial. Isso resulta em sintomas semelhantes aos que você sente quando está com raiva, como pensamento turvo e batimento cardíaco irregular. Além disso, isso pode resultar em mudança de comportamento, vozes elevadas e lapsos de julgamento.

Imagine um balão em uma festa de aniversário. Para manter este balão inflado, deve-se aplicar pressão para expandir seus limites elásticos. Se exerça pressão insuficiente, você obterá um balão quebrado (e uma criança irritada). Coloque muito ar e bang! Você recebe um pop assustador, látex voador e uma mãe irritada.

Growth and Stress: A Delicate Balance For Any Manager
Foto: (Reprodução/Internet)

Do balão à corrente sanguínea

O balão é a mente do funcionário sob pressão no ambiente de trabalho. O crescimento e o desafio nos fazem expandir e expandir. Essa expansão pode trazer estresse com ela, que pode ser positiva ou negativa.

Quando experimentamos estresse, o cérebro instrui as glândulas supra-renais a injetar hormônios poderosos como o cortisol e a adrenalina na corrente sanguínea, fazendo com que os músculos fiquem tensos e a frequência cardíaca e a respiração aumentem. Mas nossa própria reação determina se essa reação se torna saudável ou prejudicial.

O estresse benéfico nos desafia a alcançar e entregar. Nós crescemos. Por outro lado, o estresse prejudicial à saúde prejudica os relacionamentos interpessoais, prejudica a lógica e nos faz perder o desempenho. Nós estagnamos. Nós nos desligamos.

O endocrinologista Hans Selye refinou esses conceitos de estresse saudável e prejudicial ao cunhar os termos eustress e angústia para diferenciar os dois. Eustress é um estresse saudável, como o experimentado por uma atleta ao se aproximar da linha de partida das finais dos 400 metros, ou um vendedor abordando um novo cliente pela primeira vez. Eles se sentem capazes, animados e totalmente engajados.

Por outro lado, funcionários em constante angústia tendem a expressá-lo de uma das duas maneiras: altos níveis contínuos de ansiedade ou retração e depressão (o lento assobio do ar escapando do balão). Eles têm maior probabilidade de ficarem mentalmente ou fisicamente doentes. No mínimo, eles se desligarão.

Ver também: Como estabelecer limites com seu chefe

É como você olha para isso

Eustresse e angústia não são realmente resultado de um estressor ou situação específica, mas sim de como o estressor é percebido. Em outras palavras, um funcionário pode perceber um desafio como uma oportunidade de crescimento com a qual ele pode se envolver totalmente.

Para esse funcionário, o estresse é saudável e faz com que seu balão infle. Isso é eustress. Para outro funcionário, o mesmo desafio pode causar frustração, raiva e desinteresse. O balão estoura ou esvazia. Isso é angústia.

Para o gestor, o desafio do crescimento é encontrar aquela zona onde o balão está perfeitamente inflado, onde cada funcionário se sente energizado, mas não oprimido, pela oportunidade de aprender coisas novas e desenvolver novas habilidades.

E essa responsabilidade gerencial, por si só, pode ser estressante.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Entrepreneur 

ANÚNCIO