Eventos ao vivo são a próxima grande novidade em branding

ANÚNCIO

Desde que nossa espécie está na Terra, temos alimentado nossa fome insaciável por histórias. No início, contávamos apenas histórias que eram compartilhadas dentro de nossas tribos. Às vezes, os ilustrávamos nas paredes das cavernas e eram compartilhados com outras tribos.

Eventualmente, ficamos mais inteligentes e criamos maneiras mais engenhosas de vivenciar nossas histórias. Inventamos a linguagem e os tablets para nos ajudar a contá-los. Então, quando percebemos que poderíamos transformar casca em papel, inventamos pergaminhos e livros para nossas histórias.

ANÚNCIO

Quanto mais inteligentes ficamos, mais tecnologia aplicamos para ajudar a compartilhar e criar experiências em torno das histórias de nosso tempo.

Criamos grande coisa após a próxima grande coisa, incluindo a imprensa, rádio, televisão e, finalmente, a internet. Todas essas tecnologias ajudaram a saciar nossa fome de compartilhar a experiência humana. Hoje em dia, a própria internet gerou uma infinidade de grandes novidades que nos permitem compartilhar melhor nossas histórias.

Temos e-mail, mídia social, blogs, podcasts, streaming de vídeo, realidade virtual, realidade aumentada e muito mais por vir. É essa mídia pela qual alimentamos nossas almas – e por meio da qual construímos nossas marcas.

ANÚNCIO

Essas próximas grandes coisas continuam mudando o curso do comportamento humano. Eu já vi isso antes, tendo o privilégio de trabalhar com empresas que fizeram exatamente isso – incluindo Apple, Adobe, BlackBerry, Cisco e Google.

Essas empresas mudaram a forma como nos comunicamos, coletamos informações, desenvolvemos e compartilhamos conteúdo, trabalhamos e nos divertimos. Eles trouxeram novas tendências de comportamento, incluindo nossa dependência de smartphones, nosso armazenamento e compartilhamento de fotos, encontrar nosso caminho, ouvir música e nos educar.

Curiosamente, as tecnologias por trás dessas tendências nos permitem ser mais produtivos, aumentar nossas redes e acompanhar meticulosamente nossas vidas, mas também conspiram para nos separar uns dos outros. Esse fenômeno trouxe uma nova tendência de passar cada vez mais tempo explorando as coisas que gostamos ao vivo.

Viver é experimentar nossa humanidade juntos, no mesmo espaço. Convida a oportunidade de olhar para cima e para o outro e de sentir a conexão humana. A experiência ao vivo tornou-se oficialmente um meio de escolha para pessoas em todo o mundo, especialmente a geração do milênio.

Live Events Are the Next Big Thing in Branding
Foto: (Reprodução/Internet)

Em 1964, Marshall McLuhan nos disse em seu livro Understanding Media que o meio é a mensagem. Em outras palavras, quando você escolhe um meio para contar uma história, a história está inevitavelmente conectada e realmente embutida nesse meio, completa com as capacidades, limitações e idiossincrasias do meio. O meio, de fato, passa a fazer parte da história.

Acho que Marshall McLuhan concordaria que no século 21 – uma era repleta de tecnologia na qual podemos nos comunicar de inúmeras maneiras, mas em que todos estão colados, de cabeça para baixo, em seus dispositivos – o meio mais rico de tudo é “vivo” porque nos dá a oportunidade de vivenciar a condição humana juntos e de compartilhá-la.

Não é de se admirar que as empresas estejam ansiosas para ter um tempo cara a cara com funcionários, clientes, parceiros e influenciadores, e para criar experiências que se desenvolvam em relacionamentos significativos de longo prazo com suas marcas.

O meio ao vivo está maduro para a comercialização da mesma forma que a publicação, o rádio, a televisão e a internet eram comercializados no passado. Os gigantes dessas indústrias – Hearst, Tribune e Gannett; ABC, CBS e NBC; Google, Amazon e Netflix, entre outros – construíram impérios nas cristas das novas ondas de mídia. Seus esforços moveram indústrias; suas empresas mudaram o mundo.

Veja também: 5 filosofias simples para se tornar um empresário de sucesso

A indústria da música já está comercializando o meio ao vivo com foco em shows como geradores de receita primária e construtores de marcas de artistas. Se a indústria da música pode fazer isso, por que os outros não podem?

Imagine um mundo onde experiências ao vivo se tornem construtoras de marcas para empresas e organizações. É possível transformar antigos espaços industriais em novas experiências de construção de marca? Isso poderia ser um serviço comercial? Sim, e agora é a hora de capitalizar no meio ao vivo com o propósito de construir a marca. Afinal, quanto melhor for uma marca, mais gente se aglomerará nela.

E experiências ao vivo eficazes podem solidificar a presença de uma marca e até mesmo impulsionar a migração da marca entre os consumidores. Não perca; é hora de começar a implementar essa próxima grande novidade na construção de sua marca e nas estratégias de marketing.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Entrepreneur 

ANÚNCIO