Não deixe que esses três mitos o impeçam de lançar uma campanha de marketing de causa

Se o desafio do balde de gelo ALS prova alguma coisa, é que as pessoas têm um forte desejo de fazer parte de algo que faz a diferença.

Com 90% dos consumidores dizendo que mudariam para uma marca que apoie uma causa pela qual se preocupam, o marketing de causa não é mais opcional. Seus esforços de caridade podem ser mais eficazes, mais gratificantes e mais compensadores financeiramente, uma vez que você elimine esses mitos de seu pensamento.

1. Sua missão de caridade deve ser relevante para a missão de sua marca

Claro, quando funciona, funciona. Pegue o TOMS. O cliente compra sapatos, a TOMS dá sapatos. Mas por outro lado, existem marcas como John Varvatos que se concentram em retribuir, mesmo sem uma missão filantrópica aberta.

O benefício anual do estilista para a Stuart House, uma organização sem fins lucrativos com sede em Los Angeles que atende crianças abusadas sexualmente, fecha a Melrose Avenue por quarteirões, atrai celebridades e arrecada quantias significativas de dinheiro.

Não deixe que esses três mitos o impeçam de lançar uma campanha de marketing de causa
Foto: (Reprodução/Internet)

A missão da Stuart House não se encaixa perfeitamente na marca Varvatos, mas John se preocupa autenticamente com isso. A autenticidade tem um apelo próprio. Ao alavancar isso, junto com sua marca e rede de amigos famosos, ele se mantém fiel ao seu ethos rock and roll enquanto arrecada fundos significativos e conscientização para uma causa que lhe é cara.

2. Filantropia e lucro são mutuamente exclusivos

Embora algumas empresas pensem no marketing de causa como um projeto paralelo, é incrível o que pode acontecer quando você alinha seus esforços de caridade com um dos aspectos mais lucrativos de sua empresa.

Veja a campanha Ralph Lauren Pink Pony. Para cada compra de mercadoria do pônei rosa, 25% vão para o Fundo Pônei Rosa da Fundação Ralph Lauren para apoiar o tratamento e a prevenção do câncer. As pessoas adoram os pôneis rosa.

A linha é benéfica no combate ao câncer e rentável. Para muitos clientes, a compra de um pônei rosa representa uma investida em doações de caridade que eles não teriam feito de outra forma, sem mencionar um distintivo vestível para a causa. Quanto maiores as vendas, maior será o reconhecimento. É uma vitória para todos.

3. As celebridades estão nisso apenas para si mesmas

É verdade, os consumidores podem identificar um shill a uma milha de distância, mas também podem sentir a verdadeira paixão. Se você já ouviu Russell Simmons falar sobre como tornar as artes acessíveis a crianças carentes por meio de sua Fundação RUSH ou perguntou a Ted Danson sobre seu trabalho de conservação com Oceana, você sabe que a paixão pode ser contagiosa.

Encontrar uma celebridade com um interesse autêntico em sua causa ajudará muito a amplificar sua mensagem. Em um mundo de períodos de atenção em frações de segundo, se você conseguir se manter ágil o suficiente para alavancar suas parcerias com celebridades de uma forma que acompanhe a onda de eventos atuais, cultura pop ou “tagarelice” de mídia social, você pode fazer mágica de branding e arrecadação de fundos.

Veja também: Como pedir aos clientes para deixar reviews

O resultado final é que, quando você cria uma missão filantrópica para sua empresa e a torna central para a missão de sua marca, sua causa não é a única a se beneficiar. De maior fidelidade do cliente a aumento de receita, fazer o bem é apenas um bom negócio.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Entrepreneur