O processo leva à perfeição

ANÚNCIO

Se há algo que aprendi enquanto construí uma empresa nos últimos dois anos, é que a colaboração não acontece magicamente como resultado da adição de pessoas a uma equipe. A colaboração vem de uma preparação cuidadosa e processos definidos que estimulam o trabalho em equipe. Antes de entrar na importância de desenvolver processos como líder, deixe-me contar um pouco sobre como cheguei a essa conclusão.

Sou CEO do The Global Good Fund (www.globalgoodfund.org). A cada ano, selecionamos um grupo de jovens líderes sociais de alto potencial para ingressar no programa de bolsa de estudos de nossa organização. A verificação é competitiva e cada candidato passa por um processo de triagem seletivo por nossa equipe, bem como por partes interessadas externas.

ANÚNCIO

Nas primeiras iterações do processo de seleção, identificamos um problema na forma como nossa equipe tomava decisões: apesar de minhas tentativas de tornar o processo de seleção um esforço colaborativo, minha equipe acabaria por me referir se um candidato era ou não qualificado.

Embora eu continue sendo o tomador de decisão final, percebi que precisava dar um passo atrás e capacitar meus colegas para tomarem decisões por si próprios. Eles foram persuadidos pelas minhas opiniões muito cedo no processo e não estavam formando suas próprias opiniões … isso precisava mudar!

Um ambiente verdadeiramente colaborativo exigia que delineasse um processo formal de seleção de bolsistas que conduzisse à tomada de decisão em grupo. Em nosso novo modelo, dou um passo para trás e permito que minha equipe forme seus próprios pensamentos e opiniões – sem minha contribuição. Só quando um candidato avança para uma análise mais aprofundada no processo de seleção eu considero.

ANÚNCIO

Como parte dessa nova abordagem, definimos critérios que permitiram à equipe deliberar sobre os bolsistas com base em qualificações concretas e ponderadas. A equipe revisaria uma variedade de evidências de cada candidato para tomar decisões informadas e, então, contratamos um terceiro para fazer o acompanhamento para fins de controle de qualidade e gerenciamento de risco.

Implementar um processo no qual eu dei um passo atrás na tomada de decisão inicial permitiu que minha equipe aproveitasse a autoridade para tomar decisões coletivas e reduzir o preconceito da equipe. Embora meus colegas parecessem hesitantes no início, eles rapidamente se sentiram capacitados e possuíam o processo recém-formado.

Definir um processo claro e comunicar o modelo permitiu que a equipe ficasse menos vulnerável na tomada de decisões; forneceu expectativas e responsabilidades claras, em última análise, mitigando o risco e melhorando a qualidade. Esse novo processo deu à minha equipe a confiança de que estávamos tomando as decisões certas, ou seja, decisões defensáveis ​​que a equipe poderia apoiar e racionalizar.

Veja também: 5 dicas para o jovem CEO

Oportunidade – Página: 15 – Jornal de Barueri
Foto: (Reprodução/Internet)

Ao estabelecer novos processos em minha empresa, encontrei algumas dicas rápidas:

1. Faça o pivô quando necessário:

Ao configurar processos, é importante ser enxuto. Avalie continuamente esses processos ao longo do caminho e repita conforme necessário.

2. Não seja orientado por transações:

Muitas pessoas confundem processo com transações. Como um líder, temos que olhar além do preto e branco para a área cinza das situações. Isso significa estar aberto a novas ideias, mudar o plano e permitir espaço de manobra para manter uma abordagem pessoal centrada no ser humano.

3. Solte:

Definir e executar um processo tornará a equipe mais forte e mais confiante em suas próprias capacidades. O resultado é mais tempo em sua agenda lotada para concentrar a atenção em outras responsabilidades importantes.Minha experiência no The Global Good Fund me ensinou que a prática nem sempre leva à perfeição, mas a prática mais o processo nos deixa um passo mais perto.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Under30ceo

ANÚNCIO