Por que o agendamento é melhor do que a pressa sempre

ANÚNCIO

Pense em cada pessoa de sucesso nos negócios, esportes, entretenimento ou política que já deu uma entrevista. Quantos deles foram à TV e disseram: “Nunca planejei nada. Eu só trabalhava 18 horas por dia em tudo o que encontrava na minha mesa e esperava que as coisas dessem certo. ”

Talvez algumas pessoas tenham sorte assim, mas não muitas. A verdade é que a programação e o planejamento – e não uma confusão estúpida – são as chaves para o sucesso na cultura moderna de startups. Programação inteligente não significa microgerenciamento todos os dias, no entanto. Pelo contrário, as pessoas que planejam demais suas vidas sofrem quase tanto quanto as que passam como sonâmbulas.

ANÚNCIO

Um estudo publicado em 2016 descobriu que as pessoas que programam sua diversão não obtêm os mesmos benefícios de produtividade em seus intervalos que as pessoas que permitem que a diversão aconteça de forma orgânica. Acontece que programar o relaxamento faz com que o relaxamento pareça muito com o trabalho.

Então, onde está o equilíbrio? Como os empreendedores ocupados podem programar seus dias sem estender ou perder o desempenho? A resposta, como sempre, depende do equilíbrio – mas um equilíbrio que favorece a estrutura ao invés do caos. Considere os seguintes motivos para agendar mais e menos agilidade:

1. Horas mais longas não se traduzem em maior produtividade

Na cultura implacável de startups, muitos empreendedores estão convencidos de que o sucesso significa trabalhar mais do que todos os outros em alguns minutos todos os dias. Quando todos acreditam nisso, porém, esses minutos extras se estendem pela noite dentro. Por fim, os fundadores trabalham tanto por tanto tempo que seus esforços param de fazer qualquer diferença significativa.

ANÚNCIO

Uma pesquisa de Stanford descobriu que a produtividade cai drasticamente após 50 horas por semana e, em seguida, cai de um penhasco após 55 horas. A diferença é tão perceptível que uma pessoa que trabalha 56 horas é tão produtiva quanto uma que trabalha 80 horas. Os fundadores não precisam trabalhar mais horas. Eles precisam tirar mais vida do tempo que já trabalham.

Why Scheduling Beats Hustling Every Time
Foto: (Reprodução/Internet)

2. A promessa excessiva leva a prioridades desalinhadas

Pessoas que prometem o mundo a todos, invariavelmente, desapontam alguém (geralmente vários alguém). Para fundadores que confiam na reputação para fazer suas empresas decolarem, esse tipo de publicidade negativa pode ser uma sentença de morte. Não apenas isso, mas quanto mais um proprietário de empresa promete, mais fácil se torna perder de vista o que é realmente importante para o sucesso da empresa.

Em vez de se comprometer a cada hora com a rotina, os fundadores precisam aprender quando dizer “não” a projetos e tarefas que não beneficiam substancialmente seus negócios. Para alguns, isso significa aprender a delegar. Para outros, isso significa observar com atenção como o negócio funciona e optar por focar em uma área, como vendas, acima de todas as outras. Seus hábitos de produtividade serão mostrados no trabalho que você faz.

Laura Vanderkam, especialista em gerenciamento de tempo e autora, recomenda que pessoas ocupadas se perguntem antes de concordar em fazer algo: “Eu faria isso amanhã?” Se a resposta for não, o projeto provavelmente não é tão importante para o proprietário da empresa quanto para quem está perguntando.

Veja também: 3 maneiras de sobreviver sendo promovido

3. Mesmo os sucessos sobrecarregados seguem cronogramas difíceis

A cultura de startups glorifica o grind porque muitos de seus ícones o exemplificam. No entanto, só porque uma pessoa defende o trabalho árduo, não significa que ela coloca a pressa acima do cronograma.

Jack Dorsey, CEO do Twitter e da Square, entrevistou a famosa entrevista sobre como ele trabalhou 8 horas por dia em ambas as empresas durante a semana. Ele não entrou no trabalho sem um plano, no entanto. Em vez disso, ele deu todos os dias um tema, que seguiu em ambas as empresas todos os dias. As segundas-feiras, por exemplo, eram para gerenciamento e projetos gerais. As sextas-feiras eram para cultura e recrutamento da empresa.

Um cronograma não precisa ser rígido. Muitas das pessoas mais bem-sucedidas do mundo seguem cronogramas flexíveis, para que possam se adaptar a novos desafios ao longo do dia. O objetivo não é microgerenciar a cada minuto: o objetivo é aproveitar ao máximo o tempo disponível.

Que todos os outros se precipitem até a morte. Pessoas que correm no caminho do sucesso geralmente perdem o curso. Aqueles que reservam tempo para mapear sua jornada, porém, estão mais bem preparados para as provações no caminho.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Entrepreneur 

ANÚNCIO