Quatro razões pelas quais você deve fazer coisas no trabalho que assustam você.

ANÚNCIO

Você conseguiu. Você está aqui. Só posso presumir que você chegou até aqui porque NÃO está fazendo coisas das nove às cinco que o assustam muito. Agora que tenho a suposição de que o trem está rolando pelos trilhos, permita-me fazer mais uma ampla – mas muito calculada – generalização.

Estou bastante confiante de que a maioria de vocês lendo este post, em um ponto ou outro de sua carreira acadêmica, ficou visivelmente desconfortável (estou falando de roer unhas, suar na palma da mão, literalmente preferia estar em qualquer lugar -mas-aqui desconfortável) sempre que um professor se colocasse na frente da classe no dia da apresentação, sorrisse, fizesse uma pausa mais longa do que o normal e simplesmente dissesse: “Tudo bem, quem quer ser o primeiro?”

ANÚNCIO

Posso fazer essa suposição com bastante segurança porque eu também fui essa pessoa. Eu também ainda preciso de um empurrãozinho constante para sair da minha zona de conforto no trabalho.

Por uma razão ou outra – que eu nunca fui capaz de descobrir – eu sempre ficava apavorado com a ideia de “ir primeiro”. Procurando alguém para ficar em segundo, terceiro ou quarto? Eu sou seu cara. Mas primeiro? Esse era um risco que eu simplesmente não iria correr.

“Deixe outra pessoa ferrar primeiro”, pensei. Se sua experiência foi parecida com a minha, na maioria das vezes, foi exatamente isso que aconteceu. Do jeito que eu vi, as chances estavam a meu favor. Siga o cara que tropeçou e caiu, salve o dia, restaure a ordem e eleve um pouco mais a barra.

ANÚNCIO

“Tudo bem, quem quer ir primeiro?” o professor repetia. Previsivelmente, ninguém diria uma palavra.

“Se ninguém quiser se voluntariar”, dizia ele, agora falando com uma turma que aparentemente se transformou em um grupo crescido de crianças pequenas, “vou começar a colher”.

Foi nesse ponto que duas coisas aconteceriam – primeiro, os olhos olhariam rápida e intensamente ao redor da sala, pulando de um rosto aterrorizado para o outro, a maneira de cada indivíduo dizer: “Eu nem te conheço, mas, se você for primeiro, comprarei TODAS as suas bebidas neste fim de semana. ”

E então, na maioria das vezes, alguém finalmente mordia a bala, às vezes acabava com uma conta grátis (na verdade, fui o beneficiário desse arranjo uma ou duas vezes), uma nota melhor e uma sensação incrível de alívio por saber que estava tudo acabado e feito.

Quer você perceba ou não, é assim que funciona o mundo do trabalho. Eu não me importo se você é um “soldado de pé” iniciante, um jovem de 30 e poucos anos que subiu na escada ou um executivo todo-poderoso, você precisa se sentir confortável em “ir primeiro”.

Aprendi essa lição cedo e comecei a levantar a mão diariamente quando as oportunidades se apresentaram. Eu me formei na faculdade há quatro anos. Desde que comecei a escalada, não fiquei mais de oito meses sem uma promoção.

Se você chegou até aqui, você quer a mesma coisa. Mais especificamente, você quer todas as coisas que vêm como resultado de subir na escada – mais dinheiro, mais responsabilidade, um título melhor, etc. Se esses não são seus objetivos, tudo bem.

Nem todo mundo quer subir a escada, e mesmo os “escaladores” podem eventualmente querer pular (eu incluído). É assim que essas coisas funcionam. Admito que isso é um pouco “cortante na garganta”, mas, novamente, é o custo de fazer negócios. Independentemente de seus objetivos, você precisa se sentir confortável ao se sentir desconfortável porque…

Career Planning & Development – Emerging Social Work Leaders
Foto: (Reprodução/Internet)

Outras pessoas não se sentem assim

Aproveite a inatividade dos outros e jogue a lei das médias. Digamos que você esteja competindo com um colega de trabalho (ou um grupo de colegas de trabalho) pelo direito de passar para o próximo degrau da escada. Desse grupo de cinco (ou qualquer outro número), uma pequena porcentagem ultrapassará o resto. Fique na frente do pelotão, e você não estará mais competindo contra todos no grupo.

As pessoas percebem.

Sério, principalmente as “pessoas” (chefes, ocupantes de cargos de poder etc.) que precisam perceber. Sucesso ou fracasso, você ganha um pouco de respeito cada vez que conscientemente assume um risco calculado. Depois de levantar a mão, no entanto, aproveite a oportunidade e faça o que for necessário para entregá-la.

Você trabalhará de maneira mais inteligente.

Não mais difícil, mas mais inteligente. Fazer algo fora de sua zona de conforto ou nível de pagamento o força a usar todos os seus recursos para ter sucesso. Quando você usa todos os recursos à sua disposição – pessoas, habilidades e ferramentas – você aumenta sua probabilidade de sucesso.

Você vai ganhar vantagem.

Nos negócios, é ótimo ter alavancagem. A alavancagem abre portas, carteiras e mais oportunidades. Se você continuamente demonstrar disposição e capacidade de entregar resultados fora do seu nível salarial, você se tornará mais insubstituível. Quando você é difícil de substituir, você está se sentindo bem.

Comecei minha escalada exatamente 10 dias depois de me formar na faculdade, estúpido, ingênuo e literalmente perplexo com a perspectiva de sentar em uma carteira por oito horas todos os dias da semana em vez de acordar às 10h e talvez ir para a aula.

Três meses depois, empacotei todos os meus pertences (o que, admito, não era muito grande aos 22 anos), me mudei para o Arkansas e tentei juntar os pedaços depois que fui prontamente despejado pela minha namorada. Tudo pelo que meu chefe chamou de “mais oportunidade“.

Para que fique registrado, pessoal, as mulheres não gostam de ser colocadas em segundo lugar na sua lista de prioridades – especialmente quando “Arkansas” (de todos os lugares ou coisas) ocupa o primeiro lugar. Se os papéis fossem invertidos, eu também ficaria um pouco chateado.

É engraçado, no entanto – quando você está sem dinheiro, com dívidas de milhares de dólares e trabalhando oito horas por dia pelo que parecem centavos, “mais oportunidade” tem uma maneira de obrigá-lo a fazer coisas que você nunca pensou que faria.

Veja também: 4 dicas para jovens empreendedores

Nos últimos três anos, mudei-me sete vezes (Arkansas foi o primeiro) – principalmente por mais dinheiro, exposição, responsabilidade ou oportunidade. Mudanças constantes acabam trazendo muita instabilidade, mas a instabilidade nunca realmente me intimidou.

Tento não me considerar um profissional de marketing digital (meu trabalho diário) ou profissional de desenvolvimento de negócios. Eu simplesmente me recuso a me definir com base no meu cargo. Sou um “colecionador de experiências”. Pode não pagar em dinheiro, mas enriqueceu minha vida muito mais do que o dinheiro jamais fará.

Se você for como eu – um cara que muitas vezes lutou contra a assertividade e preferiu voar sob o radar e operar nos bastidores – a ansiedade de “ir primeiro” nunca vai realmente embora. Você, no entanto, fica muito mais confortável sendo desconfortável. “Indo primeiro” nem sempre produz resultados positivos, mas quase sempre traz mudanças positivas.

Não posso prometer que será fácil, mas garanto que você aprenderá algumas coisas. Sempre que puder, assuste-se muitíssimo. Em seguida, beba uma cerveja.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Under30ce0

ANÚNCIO