Por que você deve abraçar seu amador interno

ANÚNCIO

Por que presumimos que devemos ser bons em algo desde o início? E por que nos sentimos como fracassados ​​se uma nova iniciativa não é um sucesso na primeira tentativa? Parece que esquecemos a etapa importante do aprendizado.

Recentemente, observei um garotinho ensinar o pai a driblar uma bola de basquete. O menino tinha cerca de 8 anos e estava claro que seu pai nunca tinha segurado uma bola de basquete, muito menos jogado um jogo. O homem estendeu o braço em um ângulo rígido de 90 graus e deu um tapa na bola na altura do ombro com a palma da mão aberta. Depois de alguns saltos vacilantes, a bola desviou-se para os arbustos.

ANÚNCIO

“Assim”, disse o menino. “Abaixe até o chão.” Ele passou a bola para seu pai. “Hmmm. Experimente dobrar mais o cotovelo. Sim. Isso é melhor.” A bola cravou nos arbustos novamente em segundos. O menino o recuperou e eles tentaram novamente. “Vai ajudar se você dobrar um pouco os joelhos. Aqui, eu vou te mostrar. ”

E assim por diante. Parecia um momento tão terno entre pai e filho. E você tinha que admirar o pai. Ele e seu filho estavam no pátio do meu prédio – um lugar público – mas eu não vi vergonha ou constrangimento no homem, pois esse menino lhe ensinou essa habilidade simples. Quanta humildade. Ele estava apenas aprendendo.

Então, qual é a lição aqui? É que quando você é o adulto, o “especialista”, a “autoridade” em alguma coisa, você está acostumado a conhecer suas coisas de dentro para fora. E a vontade de aprender algo novo pode não ser fácil:

ANÚNCIO
  • Sim, mas não sei nada sobre isso.
  • Sim, mas já trabalho há 15 anos nessa área. Eu terei que começar tudo de novo.
  • Sim, mas isso significa que terei que voltar para a escola.
  • Sim, mas sou um especialista nisso, e só serei um novato nisso.
Why You Should Embrace Your Inner Amateur
Foto: (Reprodução/Internet)

Claro, queremos ser bons nas coisas que buscamos, mas chegar lá requer uma disposição para dar o primeiro passo vacilante, mesmo que isso signifique começar com o básico, arriscar parecer estúpido, fazer perguntas idiotas ou aprender com alguém muito mais jovem do que você, como, digamos, seu filho de 8 anos.

Tentar algo novo, seja começar seu próprio negócio, fazer uma mudança de carreira ou, diabos, até mesmo aprender a driblar uma bola de basquete o coloca na posição vulnerável de ter que aprender algo novo. É quando você tem que abraçar o seu amador interior, a parte de você que está disposta a tentar na esperança de se tornar melhor.

E esse abraço vai exigir coragem, especialmente quando é provável que você seja péssimo em tudo o que está aprendendo. Mas tentar é o primeiro passo para acertar. Tentar novamente é a etapa 2.

A boa notícia é que ser amador é apenas temporário. Mais ou menos. Você aprende um pouco sobre algo sobre o qual nada sabia e, de repente, se torna menos amador. Então você continua trabalhando nisso e talvez se torne um profissional. Você realmente aprimora suas habilidades e talvez chegue ao nível de maestria.

Ver também: Se parece bom demais para ser verdade, é

Eventualmente, porém, você vai querer tentar algo em uma nova área, algo sobre o qual não sabe nada. Então, mais uma vez, você se tornará um amador em mais um novo domínio. Abrace isso! Ou, se você não consegue encontrar a vontade de abraçá-lo, pelo menos não lute contra ele. Quem sabe o que você pode aprender?

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Entrepreneur 

ANÚNCIO