3 maneiras de desenvolver resiliência empresarial para a próxima ‘onda’ de desafios

ANÚNCIO

Quando deixei a Marinha e entrei no empreendedorismo, um de meus primeiros clientes foi uma empresa de tecnologia no Vale do Silício, passando por grandes mudanças de mercado que precisavam reexaminar suas operações.

Poucos anos antes, um tsunami atingiu sua fábrica na Ásia e a destruiu completamente. Quero dizer, ele se foi. Tudo isso. Quando perguntei que lições aprenderam com a catástrofe – afinal, quem quer aprender de novo? – eles coçaram a cabeça e responderam: “Uh, não fizemos.”

ANÚNCIO

Fiquei pasmo (mais do que o normal). Eles não revisaram como as informações fluíam antes, durante ou depois do tsunami. Eles não revisaram quais decisões foram tomadas, por quem, em que ponto ou por quê. Eles não avaliaram a eficácia de seu plano de ação de emergência. Quando o próximo tsunami acontecer, eles aprenderão todas essas lições – de novo.

No entanto, é importante ressaltar aqui que essa empresa não necessariamente cometeu um erro no que fez (ou seja, construir uma usina em uma zona de inundação de tsunami). Eles erraram no que não fizeram.

Quando as oportunidades de aprendizagem escapam de você, também escapa a oportunidade de aumentar sua resiliência. Pense no último desafio que você superou ou no evento traumático que você experimentou. Lembre-se dessas situações para lembrá-lo de exemplos anteriores de sua resiliência.

ANÚNCIO

Quando sua paciência for testada hoje, lembre-se de quando você foi paciente na fila do caixa do supermercado na semana passada, atrás de uma mãe de cinco filhos, quando tudo que você precisava comprar eram baterias. A questão é que as experiências anteriores informam as perspectivas de hoje, o que significa que você não pode ser mais resiliente hoje se não entender o que o tornou resiliente ontem.

Aqui estão três lugares para começar a construir resiliência.

Depois do ocorrido.

Uma das melhores ferramentas que você pode empregar em sua startup (ou em qualquer empresa) é a revisão pós-ação. O AAR (ou post mortem) não é uma atividade “bom ter se houver tempo”. É obrigatório. É algo que você deve incorporar ao seu fluxo de trabalho se quiser prosperar e evitar a repetição de erros do passado pelo simples fato de que as pessoas aprendem fazendo e observando outras.

No entanto, os AARs não vêm sem desafios. Quando há falta de confiança ou baixa segurança psicológica no grupo, os membros não contribuem porque temem o julgamento social. Além do mais, o líder do grupo é o exemplo brilhante ao qual todos recorrem como exemplo, então, se ele não estiver disposto a se humilhar diante do grupo, é provável que ninguém mais o faça.

Long-Term Strategies To Help Manage Your Team Remotely
Foto: (Reprodução/Internet)

Estabeleça como meta conduzir um AAR todos os meses durante seis meses. Pode parecer estranho no início, mas é a melhor ferramenta que você pode usar para aprender e se tornar mais resilientes juntos.

Com suas perguntas

Quando você lidera com curiosidade, você desafia as pessoas a pensar por si mesmas. Faça perguntas – Como podemos (preencher o espaço em branco)? O que você acha? O quê mais? – revelar como uma pessoa pensa, a profundidade de seu pensamento e o que ela valoriza. Você pode então usar para informar seu próximo movimento, seja uma outra questão ou uma decisão.

No entanto, nem todo mundo quer pensar. Vamos ser honestos, algumas pessoas só querem a “resposta certa” para que possam ouvir o que fazer porque, bem, elas simplesmente não se importam o suficiente para se esforçar. Isso é bom.

Deixe que eles desistam porque não são as pessoas que você deseja. Substitua-os por pessoas que você deseja. Use perguntas para despertar o pensamento criativo e descobrir novos insights. É assim que você faz seu pessoal crescer, mas sua empresa.

Veja também: Por que o fracasso pode ser bom

O que você mede

Lembro-me de um cliente meu de coaching, um executivo sênior que tinha medo de falar abertamente em reuniões. A ideia de falar antes de outros executivos o deixava nervoso, porque temia o que eles poderiam pensar. Então, pedi a ele que fizesse uma coisa: rastrear quantas vezes ele fala nas reuniões. Se você quiser melhorar alguma coisa, comece medindo.

Quando você rastreia algo, seu cérebro se concentra em encontrá-lo, o que significa que ele estaria em busca de oportunidades para falar. Em segundo lugar, ao rastrear a frequência com que ele falava, recebeu feedback imediato; elogios e pequenas vitórias que aumentaram sua autoconfiança. O que ele estava realmente fazendo era construir sua resiliência em tempo real. Boom (aqui é onde eu colocaria o microfone, afaste-se).

Mantenha a relevância construindo sua resiliência diariamente como indivíduo, equipe e como empresa. Quando o próximo “tsunami” acontecer, você ficará feliz por isso.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Entrepreneur 

ANÚNCIO