4 maneiras de permanecer à frente da curva de mudança

ANÚNCIO

Há uma mudança de paradigma ocorrendo nos negócios hoje. O antigo modelo hierárquico de estrutura corporativa não reina mais supremo.

Em vez disso, o ritmo acelerado da tecnologia (e, portanto, da mudança) dá origem a modelos de negócios mais horizontais do que podem pivotar de uma estratégia para outra com perda mínima de valor. Os especialistas no assunto rapidamente caem em obsolescência no segundo em que um concorrente “pivota” e apresenta um novo produto que exige que um novo assunto seja aprendido.

ANÚNCIO

Para enfrentar o desafio imposto pelas tecnologias em evolução hoje, as organizações precisam abraçar a mudança. Para fazer isso, há duas maneiras de fazer isso: definir o ambiente certo que facilite a mudança ou contratar as pessoas certas que estão sempre dispostas a mudar.

Não importa como você olhe para as coisas, o que as empresas precisam são de funcionários adaptáveis. Ser adaptável é renunciar ao antigo e abraçar o novo, aprender e desaprender o que não é mais relevante e fazê-lo mais rápido que o concorrente – seja outro candidato a emprego, fabricante ou empresa. Aqui estão quatro maneiras de se manter à frente da curva de mudança e se adaptar – antes que sua concorrência o faça:

1. Pense com fluência

O pensamento flexível, de acordo com Michael Michalko, autor de ThinkerToys (a Bíblia do pensamento expansivo), é o número de ideias que você produz. Assim como o exercício físico na academia estimula os músculos da praia (ou a falta deles), esforçar-se cognitivamente aumenta sua capacidade mental para que você possa gerar mais gênio. Quanto mais ideias você tem para escolher, mais contexto você cria e maior sua capacidade de adaptação.

ANÚNCIO

2. Pense com flexibilidade

Esta é a sua criatividade, o número de spinoffs que você pode criar a partir da ideia A. Nas palavras de Michalko, o pensamento flexível se refere à sua “capacidade de ver além dos papéis comuns e convencionais” e improvisar um encaixe onde não existe encaixe atualmente.

The Exhausting Reality Of Being A Black Woman At Work
Foto: (Reprodução/Internet)

3. Pense novo

Ofereça-se para uma nova função ou responsabilidade. Quanto mais experiência você tiver em uma ampla gama de tópicos, maior será o contexto que você criará para si mesmo. Contexto é o que confiamos para a intuição. Quando há uma mudança inesperada em um padrão esperado, é quando seu intestino fala e diz: “Ei, espere um minuto!”

4. Verifique você mesmo

A capacidade de mudar envolve duas coisas: sua habilidade em se ajustar a novas situações e a vontade de fazê-lo. Você pode ser um agente de mudança magistral, mas se não há nada impulsionando o porquê, então a paixão pela mudança logo irá murchar – a disciplina dura apenas até certo ponto. Então, se você não tem certeza sobre onde se encaixa na escala de adaptabilidade, comece com você mesmo.

Ver também: Faça a si mesmo essas 5 perguntas 

Em outras palavras, quão autoconsciente de você sobre o que ativa positivamente ou negativamente sua habilidade e obstinação para se adaptar? Se você não tiver certeza, ouça o que aquela vozinha em sua cabeça (a boa) diz quando novas situações surgirem. Especificamente, ele diz para você lutar, fugir ou congelar? Mais importante, por que você escuta isso?

Seja adaptabilidade pessoal ou organizacional, uma coisa é certa: a mudança não vai a lugar nenhum. Quanto mais cedo você aprender a abraçar as novidades e se adaptar ao ambiente, maior será a vantagem sobre seu concorrente.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Entrepreneur 

ANÚNCIO