7 coisas que pessoas altamente focadas nunca fazem – com base na ciência

ANÚNCIO

A maioria de nós pensa nas pessoas de sucesso como pessoas altamente focadas – e estamos certos em fazer essa associação. É difícil imaginar alcançar algo de valor sem dar a devida atenção. E seja em relação à vida familiar, trabalho ou estudo, mais foco permite uma definição mais eficaz e cumprimento de metas.

Mas, embora a maioria de nós possa apreciar os benefícios do foco, o caminho para se tornar mais focado costuma ser difícil. Esse é especialmente o caso em nosso mundo moderno: onde gadgets, mídia social e cobertura ininterrupta de eventos mundiais (e não eventos) costumam servir para nos distrair.

ANÚNCIO

Uma solução poderia ser simplesmente evitar as mesmas coisas que as pessoas altamente focadas evitam. Na verdade, a ciência comportamental apóia essa abordagem. Estudo após estudo de pessoas altamente focadas (e não tão focadas) nos deu uma boa ideia do que devemos e não devemos fazer para manter a atenção e realizar o trabalho. Em particular, existem 7 coisas que as pessoas altamente focadas nunca fazem:

Eles nunca focam sua atenção em estar focados.

Pode parecer contra-intuitivo, mas pesquisas recentes sugerem que a melhor maneira de ganhar e manter o foco é não tentar. Em outras palavras, manter o foco pode ser mais bem realizado como um esporte defensivo. Por exemplo, os pesquisadores descobriram que permitir até 200 milissegundos de distração mental (cerca de 1/5 de segundo, ou seja, um piscar de olhos) pode perturbar nosso foco por até 40 minutos!

E também existem outros custos. Ficar distraído esgota nossa energia física e nosso poder cerebral. Por exemplo, ele usa recursos vitais de pensamento e nos empurra mais rapidamente para a sobrecarga mental – um estado em que somos menos capazes de tomar decisões. Em contraste, colocar esforço para nos livrarmos de distrações aleatórias recupera nosso foco e preserva nossas escassas reservas mentais.

ANÚNCIO

No entanto, é importante entender o que são distrações aleatórias. Essas são coisas irrelevantes e fora do assunto que chamam nossa atenção. Por exemplo, fazer pesquisas que envolvam abrir várias janelas em seu laptop pode não ser uma distração aleatória, porque essas janelas podem estar relacionadas ao que você está focando.

No entanto, verificar constantemente e-mails, mídias sociais ou enviar mensagens não relacionadas – ou até mesmo pensar nessas coisas – pode ser distrações aleatórias.

Eles nunca deixam de reformular o trabalho chato para ser interessante.

Outra pesquisa de cientistas da Universidade de Illinois mostra que estamos focados apenas quando estamos interessados ​​no tópico. Não é nenhuma surpresa que, se a tarefa em mãos for incrivelmente entediante, perdermos o foco rapidamente. No entanto, raramente na vida conseguimos trabalhar coisas que são sempre interessantes e envolventes.

Por essa razão, pessoas altamente focadas reformulam qualquer trabalho ou tarefa para torná-los mais “interessantes”. Por exemplo, assinar vários documentos pode ser reformulado como uma chance de refletir sobre a beleza (ou feiura) de sua assinatura. Ler um briefing do cliente excepcionalmente longo e mal estruturado pode permitir pensamentos de edição.

Claro, contar para si mesmo essas histórias mentais pode parecer um pouco infantil, mas funciona! Se você for obrigado a concluir uma tarefa mundana ou árida, encontrar um atributo genuíno (e às vezes, ligeiramente imaginário) para a tarefa pode ser útil para manter o foco.

Eles nunca se lançam em algo sem objetivos claros e realistas.

O estabelecimento de metas é um subcampo inteiro da ciência comportamental da gestão. Um de seus muitos insights é que definir metas claras (em vez de estabelecer metas vagas e genéricas ou nenhuma) aumenta a produtividade – em alguns estudos, em até 30%.

De fato, um estudo recente mostrou que quando os líderes estabelecem metas para sua equipe, eles podem aumentar a produtividade em 12-15 por cento, mesmo sem incentivos financeiros. Em outras palavras, a mera presença de metas, é suficiente para melhorar as coisas.

Além disso, o mecanismo pelo qual as metas parecem aumentar a produtividade está relacionado ao foco: metas claras fornecem a uma pessoa um objeto de foco e a ajudam a marcar o progresso. E isso leva a outra coisa. A literatura sobre definição de metas diz que nossos objetivos devem ser desafiadores; no entanto, eles também devem ser realistas. Metas definidas muito altas ou muito baixas prejudicam o foco e, como resultado, a produtividade.

Eles nunca perseguem esses objetivos com passos rígidos.

Ao mesmo tempo, pessoas altamente focadas fazem algumas coisas que parecem contra-intuitivas. Por exemplo, eles definem metas, mas não definem formas rígidas de alcançá-las. Como resultado, pessoas altamente focadas se deixam abertas para explorar as oportunidades que surgem ao longo do caminho. Essas oportunidades podem tornar seus objetivos existentes mais fáceis de alcançar ou mudá-los completamente.

Na verdade, um estudo recente mostra que quando as pessoas estabelecem um plano de ação rígido para atingir as metas, elas estão perguntando “como” e não “por quê”. Ainda. embora aparentemente inofensiva, essa distinção sutil reduz o foco dramaticamente. Por exemplo, à medida que ficamos atolados nos detalhes de perseguir um plano de ação específico, nós, subconscientemente, somos atraídos para fora do assunto por distrações.

Parte disso pode resultar de frustrações em não responder ao que está acontecendo ali mesmo. Por outro lado, perguntar “por que” abre a porta para aceitar abordagens alternativas e revisar o que estamos fazendo com base em novos dados. Ao fazer tudo isso, nos ajuda a manter o foco, se não por outro motivo, por interesse e engajamento mantidos. Em outras palavras, um plano rígido pode parecer atraente, mas geralmente se torna muito chato de seguir.

4 Reasons You Need Patience In Order To Find Yourself
Foto: (Reprodução/Internet)

Eles nunca deixam de usar distrações estrategicamente.

Distrações têm má reputação, mas nem sempre são ruins. Além disso, embora seja importante distinguir distrações aleatórias daquelas relacionadas aos nossos empreendimentos, há até um lugar importante para distrações aleatórias em manter o foco.

Os pesquisadores descobriram, por exemplo, que distrações breves e estrategicamente cronometradas – muitas vezes em vários intervalos enquanto fazemos nosso trabalho – nos ajudam a “voltar” ao foco. Na verdade, existe até uma área de nosso cérebro que nos ajuda automaticamente a recuperar o foco quando o expomos a uma distração de “recuperação”.

Por exemplo, pessoas altamente focadas podem sair para observar a agitação das ruas da cidade ou dar um passeio na natureza ou até mesmo ter uma conversa irrelevante como uma estratégia de recuperação. A única ressalva é se a distração envolver dispositivos eletrônicos – que, por outras razões – podem operar em nosso cérebro por meio de canais visuais e desviar o foco (veja abaixo).

Eles nunca ignoram a conexão mente-alma-corpo.

Pessoas altamente focadas não são ingênuas o suficiente para acreditar que manter o foco tem tudo a ver com seu objeto de foco. Como um atleta profissional, eles entendem que sua condição física, emocional e até espiritual pode influenciar sua capacidade de manter a atenção.

Assim, por exemplo, vários estudos mostram que dormir o suficiente é importante para manter o foco, embora muitos acreditem que “noites inteiras” ou trabalhar com prazos apertados são maneiras eficazes de trabalhar e se concentrar. Outros estudos mostram que a comida é importante.

Alimentos altamente saturados levam a um enfoque deficiente, por exemplo, e mesmo uma pequena quantidade de desidratação mata nossa atenção e deixa nosso cérebro confuso. Além disso, nossas emoções desempenham um papel significativo.

Estudos mostram que ter emoções agressivas (como as produzidas por uma discussão ou pela leitura de uma notícia politicamente explosiva) pode afetar nossa capacidade de raciocinar por até 15 minutos após o evento – além de esgotar nossas reservas mentais à medida que surgem.

Mesmo que você não dê crédito à importância das emoções ou das crenças espirituais, essas posições o influenciam psicologicamente. No entanto, um grande corpo de evidências científicas agora apóia as muitas práticas antigas de meditação e oração como maneiras diferentes de reunir o foco – embora nem todas sejam iguais.

Por exemplo, o antigo grego Christian Hesychasm e algumas outras formas de oração foram mostrados em experimentos para permitir recuperar o foco e reduzir transtornos de ansiedade, bem como ajudar a conter maus hábitos, como alcoolismo e vícios.

Eles nunca fazem amizade com seus dispositivos eletrônicos.

Exatamente como você deve ter temido, a ciência mostra que nossos dispositivos distraem nossa atenção e esgotam nosso foco substancialmente. Isso pode parecer óbvio, ao considerar e-mail ou bate-papos, mas até a mera presença de um telefone celular perto de nós, prejudica nossa capacidade de foco. Mas se isso não te assusta o suficiente, uma descoberta recente de neurocientistas o fará.

O uso de várias mídias durante a multitarefa (e isso inclui abrir janelas e estudar tarefas relacionadas) reduz a massa cinzenta em nossos cérebros. Em outros estudos, os cientistas mostraram que a massa cinzenta é fundamental para nos permitir mudar de tarefa e recuperar o foco, bem como processar informações, construir memórias e outras funções vitais.

As descobertas do primeiro estudo sugerem que não apenas a multitarefa na mídia eletrônica é uma distração, mas também pode prejudicar progressivamente nossa capacidade de nos concentrarmos no longo prazo.

Ver também: Encontrar sua paixão é como se casar 

É claro que pessoas altamente focadas podem não estar cientes de toda a ciência por trás de porque são capazes de fazer o que fazem tão bem. Eles se concentram, fazem as coisas e têm sucesso. No entanto, a ciência nos ajuda a entender o que eles fazem para que possamos tirar lições para nós mesmos e, neste caso, manter o foco.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Forbes

ANÚNCIO