Por que alguns funcionários não gostam de ter liberdade no trabalho

ANÚNCIO

Muitos líderes são, por natureza, empreendedores. Mas isso não significa que os trabalhadores que gerenciam compartilham o impulso de pensar por si próprios e resolver problemas. Algumas tarefas simplesmente não têm espaço para isso.

Alguns tipos de trabalho exigem a resolução de problemas e a assunção de riscos, enquanto os trabalhos mais rotineiros e estruturados têm menos espaço para a criatividade. Para os trabalhadores do primeiro acampamento, ter a liberdade de sonhar e experimentar novas ideias é crucial para a realização de seus trabalhos. Mas aqueles que não são responsáveis ​​por soluções criativas podem ficar frustrados ou confusos quando recebem autonomia.

ANÚNCIO

Um estudo publicado no Journal of Organizational Behavior concluiu que capacitar os trabalhadores – deixando-os trabalhar sem monitoramento, pedindo informações e dando-lhes um papel na tomada de decisões – nem sempre se traduz em satisfação no trabalho, construção de habilidades e produtividade. Em alguns casos, os funcionários podem sentir-se inseguros sobre como proceder ou até mesmo ressentidos com os líderes que os capacitam.

Pesquisadores da University of Exeter Business School, Alliance Manchester Business School e Curtin Business School conduziram o estudo. Eles examinaram o desempenho de 8.500 trabalhadores de 105 empresas ao redor do mundo em uma variedade de setores e descobriram que os funcionários responsáveis ​​por tarefas rotineiras não respondem bem quando apresentados com autonomia por seu chefe.

Em vez disso, muitos suspeitam que o chefe está jogando sobre eles suas próprias responsabilidades de nível superior, como a tomada de decisões. Por sua vez, esses trabalhadores frustrados são menos produtivos no dia a dia.

ANÚNCIO
Why Some Employees Don't Like Having Freedom at Work
Foto: (Reprodução/Internet)

Por outro lado, o empoderamento incentiva os responsáveis ​​por tarefas mais criativas a trabalhar mais, ajudar os outros e ser proativos. O que é mais importante do que conceder a todos a independência para administrar a si mesmos é a construção de confiança entre chefes e funcionários, observam os pesquisadores.

Às vezes, dar poder a um trabalhador criativo pode sair pela culatra se um chefe tentar fazer as duas coisas, dizendo que vai deixar o trabalhador tomar suas próprias decisões, mas não dando a ele a autoridade para realmente fazê-lo – ou não estar disponível para os funcionários quando eles inevitavelmente deseja discutir ideias de vez em quando.

Enquanto isso, os trabalhadores precisam provar a seus chefes que podem funcionar de forma produtiva sem um monitoramento próximo.

“Os trabalhadores precisam sentir que seu chefe os apóia a assumir riscos quando o empoderamento da liderança está sendo usado”, diz Allan Lee, um professor sênior da University of Exeter Business School que liderou a pesquisa, em um resumo das descobertas.

“Mas os chefes também são vulneráveis ​​quando gerenciam as pessoas dessa maneira. As pessoas podem tirar vantagem da confiança depositada nelas. A confiança é um fator poderoso na eficácia da liderança capacitadora. ”

Ver também: Como obter lealdade e alto desempenho da sua equipe

Lee e seus colegas pesquisadores também chegaram a uma conclusão contra-intuitiva sobre se os gerentes deveriam dar aos novos contratados mais liberdade: Acontece que as pessoas que são novas no trabalho respondem e têm melhor desempenho quando têm autonomia no trabalho, em comparação com os funcionários que estão a bordo há mais tempo.

Mesmo que eles não conheçam as cordas também, eles podem ser menos cínicos e mais dispostos a experimentar, observam os pesquisadores.

Traduzido e adaptado por equipe Autônomo Brasil

Fonte: Entrepreneur 

ANÚNCIO